A “hospitalidade” brasileira

A Copa do Mundo no Brasil se aproxima do final, e os estrangeiros elogiam muito a “hospitalidade” do povo brasileiro. O que não é novidade: nosso país sempre teve fama de ser “hospitaleiro”, de receber bem os visitantes.

Porém, a própria Copa mostra que não é bem assim. Basta ver o que se sucedeu ao jogo Brasil x Colômbia, no qual a Seleção garantiu presença na semifinal ao vencer por 2 a 1, mas também marcado pela lesão que tirou Neymar do Mundial.

O lateral Juán Camilo Zúñiga, autor da joelhada nas costas de Neymar que fraturou uma vértebra do jogador, já disse que o lance não foi intencional. E a meu ver, realmente não foi: houve, sim, muita imprudência por parte do colombiano. Já que a FIFA suspendeu o atacante uruguaio Luis Suárez por nove jogos internacionais e inclusive o proibiu de treinar por quatro meses devido à mordida no zagueiro italiano Giorgio Chiellini durante a partida entre Uruguai e Itália (pena considerada excessiva até mesmo pelo “mordido”), espero que Zúñiga sofra uma punição mais severa, para que não se fique com a impressão de que morder uma adversário é pior do que acertá-lo com uma joelhada que pode ter consequências graves.

Instantes depois do apito final, o zagueiro brasileiro David Luiz teve uma bela atitude: consolou o meia James Rodriguez, destaque da Colômbia, e pediu ao público que aplaudisse o jogador adversário. Um exemplo que infelizmente a maioria das pessoas não segue.

Após a partida os jogadores colombianos decidiram ir a um restaurante. Reconhecidos, foram hostilizados por torcedores brasileiros, com o ônibus que transportava os atletas da Colômbia sendo alvo de latas.

Nas redes sociais, Zúñiga sofre um verdadeiro linchamento virtual (o que, vamos combinar, não é muito surpreendente, dado o apoio de tantos brasileiros à “justiça com as próprias mãos”). No Instagram, o perfil do jogador foi “invadido” por brasileiros, que lhe dirigiram todo o tipo de impropérios. No Twitter, o lateral foi alvo de insultos racistas.

Enfim: é esta a “hospitalidade” que temos a oferecer?

Cortázar está vivo e mora em Curitiba

Júlio Florencio Cortázar nasceu na embaixada da Argentina em Bruxelas, na Bélgica, em 26 de agosto de 1914. Foi um dos escritores mais originais de seu tempo, e muitas de suas obras cruzavam a fronteira entre o real e o fantástico. Cortázar parou de escrever em 1984; dizem que faleceu no dia 26 de fevereiro daquele ano em Paris – inclusive há uma tumba com seu nome no Cemitério de Montparnasse, em cuja lápide se ergue a imagem de um “cronópio”, personagem criado pelo escritor em suas surreais “Histórias de Cronópios e de Famas”.

A verdade é que Júlio Cortázar vive, e em breve celebrará seu centenário. Em 1984, o escritor deixou Paris e circulou pelo mundo, passando por inúmeras cidades em muitos países. À sua volta, sempre se registravam fatos completamente inusitados, que ninguém acreditaria serem verdadeiros caso não fossem noticiados: era sua literatura acontecendo fora dos livros. Segundo fontes que pediram para que suas identidades não fossem reveladas, Cortázar teria morado entre 2007 e 2010 em um apartamento na Praça da Matriz, no Centro de Porto Alegre; não é possível confirmar a informação pois dizem que o escritor costuma usar pseudônimos, sem contar que obviamente seu rosto mudou muito nas últimas décadas.

As informações mais recentes quanto ao paradeiro de Cortázar indicam que ele reside no bairro Água Verde, em Curitiba. Afinal, nessa região da capital paranaense acontecem fatos inacreditáveis, beirando o absurdo.

No bairro, está localizada a Arena da Baixada, do Atlético-PR. Foi construída no mesmo local do antigo estádio do clube e inaugurada em 1999, ostentando na época o título de estádio mais moderno da América Latina e sendo também o primeiro do tipo “arena multiuso” no Brasil. Mesmo sem ter seguido completamente seu projeto: as arquibancadas não “cercavam” o campo devido à presença de uma escola em terreno vizinho ao estádio.

Sendo o estádio mais moderno do Brasil por vários anos, a Arena da Baixada foi naturalmente indicada para sediar jogos da Copa do Mundo de 2014. Curitiba já estava passos à frente de outras cidades, onde os estádios seriam construídos “do zero” ou completamente remodelados: o Atlético precisaria apenas completar a arquibancada e fazer algumas modernizações, que obviamente não seriam muitas, por já ser uma “arena multiuso”. Tanto que a previsão inicial de conclusão do estádio era dezembro de 2012, o que possibilitaria inclusive seu uso na Copa das Confederações.

Porém, o Atlético decidiu “sonhar alto” e inventou uma cobertura retrátil para a Arena, encarecendo bastante a obra (inicialmente estimada em R$ 184 milhões, já chegou aos R$ 285 milhões). Em agosto de 2013 a FIFA vetou com base no prazo final para a finalização do estádio (31 de dezembro) e o Furacão decidiu deixar a “tampa do Caldeirão” para depois da Copa. Mesmo assim, o prazo não foi cumprido e a obra não atingiu 90% de conclusão faltando menos de cinco meses para a primeira partida marcada para Curitiba (Irã x Nigéria, em 16 de junho).

O Atlético diz não ter de onde tirar dinheiro para concluir a obra (que já contou com empréstimo de R$ 131 milhões do BNDES), visto que o atraso a encarece ainda mais. Diante disso, a FIFA deu um ultimato: até 18 de fevereiro a Arena da Baixada deve estar adaptada ao cronograma da entidade, sob pena de os quatro jogos marcados para Curitiba (todos pela primeira fase da Copa) serem remanejados a outras cidades.

O que, sabemos, não acontecerá: será despejado mais dinheiro público para que a Arena fique pronta a tempo. O ultimato, no fundo, é mais um elemento da realidade sendo escrita em tintas surreais (o que aumenta a suspeita quanto à presença de Júlio Cortázar em Curitiba): o estádio que em sua inauguração era o mais moderno do Brasil e o primeiro do tipo “arena multiuso”, 15 anos depois é o mais atrasado dos doze que receberão jogos da Copa do Mundo. Afinal, o que explicaria um atraso que encarece ainda mais uma obra a ponto dela precisar de novos repasses de dinheiro público?

11/11/11

Que fim do mundo o quê… Hoje é dia do Baixinho!

Romário foi o maior de todos os que já vi jogarem ao vivo. Assisti ao Baixinho duas vezes no Estádio Olímpico: ambas pela Copa do Brasil, e com ele vestindo a camisa do Flamengo.

A primeira foi em 20 de maio de 1997, primeiro jogo da final que o Grêmio venceria no saldo qualificado, ao empatar em 2 a 2 no Maracanã, dois dias depois.

Já a outra teve um sabor mais amargo. Em 21 de abril de 1999, pelas oitavas-de-final, o Flamengo venceu por 2 a 1, e um dos gols foi de Romário. (No jogo da volta, empate em 2 a 2 no Maracanã e classificação rubro-negra.)

Romário sempre teve o hábito de dizer o que pensa, sem rodeios. E agora, como deputado federal pelo PSB, vem sendo uma legítima “mosca na sopa” dos organizadores da Copa do Mundo de 2014. Não pensa duas vezes antes de questionar o secretário-executivo da FIFA Jerome Walcke e o presidente da CBF Ricardo Teixeira pelas denúncias de corrupção contra os dois.

Maldita Copa

Gosto de futebol e adoro assistir Copa do Mundo. No dia seguinte à grande final, costumo sentir uma “sensação de vazio” por saber que, de novo, só depois de quatro anos.

Mas de uns tempos para cá, apesar de ainda adorar assistir aos jogos, não consigo mais deixar de pensar no que acontece fora de campo. A Copa do Mundo tem servido de desculpa para barbaridades: desde as remoções forçadas de famílias até o absurdo do secretário de Meio Ambiente (é sério!) de Porto Alegre dizer que a aprovação do projeto de lei que tombaria 70 “túneis verdes” na cidade iria “prejudicar as obras da Copa”.

Como tem sido amplamente falado na imprensa nos últimos dias, a proposta de “Lei Geral da Copa” não agradou à FIFA, que poderia inclusive mudar a sede do Mundial. Obviamente a proposta será alterada, pois sabemos que o governo não irá peitar uma entidade que tem mais poder que a ONU. (O que é uma pena, pois se isso acontecesse eu aplaudiria de pé.)

Só que para a FIFA o “problema” não é apenas a previsão legal de meia-entrada para idosos e estudantes. Conforme li nesta notícia do Correio do Povo, o ministro dos Esportes, Orlando Silva, revelou que a FIFA quer também a suspensão do Código do Consumidor durante a Copa! Exato: quem comprar produto defeituoso na época do Mundial (mesmo que a mil quilômetros de distância de qualquer estádio), vai se ferrar bonito.

Cada vez fica mais claro que a Copa do Mundo de 2014 vai é implantar um verdadeiro regime de exceção no Brasil (traduzindo: ditadura). Não duvidemos que a FIFA “sugira” que outras leis sejam suspensas durante a Copa. Afinal, no Mundial passado a entidade máxima do futebol fez o que quis na África do Sul.

Faltam mil dias para a Copa. E o que há de bom nisso?

Hoje faltam exatos mil dias para a abertura da Copa do Mundo do Brasil, marcada para o dia 12 de junho de 2014. Em menos de três anos a bola vai rolar, a vida no país será uma maravilha, todos felizes com o Mundial… Mas também em menos de três anos a Copa de 2014 acaba, no dia 13 de julho.

É incrível: foi no já distante 30 de outubro de 2007 que o Brasil foi oficialmente designado para sediar a Copa do Mundo de 2014. Não foi “escolhido”, já que a FIFA tinha decidido que o torneio seria realizado na América do Sul, e o Brasil era o único candidato.

Ou seja: já faz mais tempo que o Brasil foi oficializado como sede da Copa, do que falta para a bola rolar. Eram quase sete anos para 2014, tempo de sobra para construir estádios, fazer obras de mobilidade urbana… Obviamente eu nunca me iludi achando que teríamos uma verdadeira melhora na qualidade de vida (como provam as emergências lotadas nos hospitais), mas imaginava que, com um prazo tão amplo, alguma coisa já estivesse pronta quase quatro anos após a designação do Brasil como sede.

Mas também não dá para ficar surpreso com tantos atrasos. Afinal, se a preparação começasse já em 2007, não haveria desculpa para passar por cima das leis ou para se dispensar licitação: seria preciso fazer as coisas direitinho, de acordo com a legislação. Mas faltam só mil dias e nada está pronto, se continuar assim a Copa vai embora e o Brasil vai dar “vexame”, então vale tudo: salve-se quem puder, dê-lhe superfaturamento em obras, dane-se o meio ambiente, os pobres “que estão impedindo o progresso” etc. Meia dúzia de grandes empreiteiros ganha e o povo brasileiro perde.

A Copa de 2014 é nossa?

Todo o esforço para as melhorias olímpicas causou, no entanto, grande transtorno aos moradores atenienses e muitas reclamações dos gregos. “Atenas não precisa ser uma cidade olímpica”, queixa-se um morador de Tessalônica. “A Grécia é que precisa ser um país olímpico. Por que todo o investimento está concentrado na capital?”

O projeto das Olimpíadas concentrou os recursos em Atenas. A quantidade de obras fez com que os preparativos ganhassem uma dimensão olímpica por si só. Na lista de pendências da cidade e da região, não apareciam apenas os ginásios e instalações esportivas, mas também 140 quilômetros de novas estradas, duas novas linhas de metrô e 24 quilômetros de linhas de bonde para movimentar 1 milhão de pessoas por dia. A partir do dia em que Atenas foi escolhida como sede, os atenienses passaram a viver dentro de um imenso canteiro de obras. Entrar para a modernidade é um grande negócio se você for capaz de agüentar a poeira, o barulho e os atrasos.

Isso sem falar no custo. Quando as obras para os Jogos Olímpicos terminarem e vencer a fatura de quase 8 bilhões de dólares, a curva ascendente que referenda o crescimento da economia pode despencar. “Acho as Olimpíadas o máximo”, diz Angeliki Kiriakopoulou, 28 anos, secretária de uma escola de artes em Atenas, “mas acho que não temos condições de ser a sede do evento. Ainda não tenho filhos, mas com certeza eles terão de arcar com essa conta.” É claro que as opiniões são controversas. “Temos orgulho de sediar as Olimpíadas”, diz o padre Apostolos, de Komotini, “e pagaremos essa fatura mesmo que leve anos.” Em 2006, quando terminar o atual lote de fundos destinado à Grécia, ela não preencherá mais os requisitos para receber tão generosas contribuições da União Européia. Ao contrário, será a sua vez de fazer doações em prol do desenvolvimento de novas nações-membro da UE, agora mais pobres do que ela.

(Retirado de: National Geographic Brasil, agosto de 2004, p. 48.)

Uma das causas da quebra da Grécia foi o gasto excessivo para os Jogos Olímpicos de 2004, em Atenas. Foram erguidas modernas instalações esportivas que, após o evento, ficaram às moscas.

E o perigo, é que o Brasil está querendo trilhar o mesmo caminho…

Na última quarta-feira, a CBF deu o anúncio oficial: o Morumbi não receberá os jogos da Copa do Mundo de 2014. O motivo? O São Paulo não estava disposto a torrar 630 milhões de reais para deixar seu estádio no chamado “padrão FIFA” – apostava em um projeto mais modesto, de aproximadamente 265 milhões. A grana a mais que teria de gastar faria com que o clube contasse com menos recursos para contratar jogadores (o torcedor quer um time vencedor, né?), para sediar alguns jogos de Copa.

Com o Morumbi fora, pareceria natural que o estádio de São Paulo para a Copa de 2014 passaria a ser a Arena Palestra Itália, que o Palmeiras deverá concluir até o final de 2012 e terá capacidade para 45 mil torcedores. Só pareceria mesmo… Pois agora o que estão falando é em um novo estádio, o “Piritubão”, de capacidade semelhante, e que além disso seria construído com dinheiro público – para mais adiante ser arrendado ao Corinthians, tal qual o Engenhão no Rio (administrado pelo Botafogo). E ainda transformaria o Pacaembu (que é tombado como patrimônio histórico, logo, não pode ser derrubado) em um legítimo “elefante branco”.

E não pensem que tal absurdo é exclusividade paulista.

Aqui em Porto Alegre, o Internacional até agora não começou as obras no Beira-Rio, estádio da Copa na cidade. Tudo porque queria ter isenção de impostos (claro que os benefícios foram concedidos). E a “arena” do Grêmio, que não receberá jogos da Copa, também entrou na parada…

(A propósito, só se começou a falar em construir essa maldita “arena”, cujo contrato prevê que a maior parte dos lucros do Grêmio com venda de ingressos e produtos licenciados será repassado à construtora que erguerá o estádio, depois que o Brasil apresentou sua candidatura para sediar a Copa do Mundo e se disse que os jogos em Porto Alegre seriam no Beira-Rio, já que o Olímpico Monumental é “velho, ultrapassado”. Concordo que uma reforma cairia bem, mas o Olímpico atende muito bem às minhas necessidades como torcedor do Grêmio, assim como o Morumbi satisfaz ao são-paulino Vinicius Duarte – e certamente ele não é o único que tem tal opinião. Se eu quisesse assistir ao jogo sentado em “cadeiras estofadas”, ficaria em casa, oras! E estou cagando e andando para a Copa ser jogada ou não no estádio do Grêmio.)

Satisfeitos? Calma, que tem mais… Como as novas “arenas” que serão construídos em cidades como Cuiabá e Manaus – que têm tudo para também se tornarem “elefantes brancos”, visto que se tratam de cidades cujos clubes têm pouca tradição no futebol nacional. Há também um novo estádio a ser erguido em Brasília, como se a capital federal já não tivesse o Bezerrão (onde em 2008 a Seleção disputou um de seus raros amistosos no Brasil, 6 a 2 sobre Portugal) que precisaria apenas ser ampliado – e nada demais, para que não se tornasse outro “elefante branco”.

É bom ninguém se iludir achando que poderá ganhar muito dinheiro aproveitando-se da Copa do Mundo no Brasil. Que o digam muitas pequenas e médias empresas sul-africanas, alvo de processos por terem se utilizado de temas ligados à Copa para fazer publicidade: afinal, tudo o que é referente ao torneio só pode ser explorado comercialmente pelas empresas que têm contrato com a FIFA (ela é que ganhará muito, sem pagar um centavo sequer de imposto, tanto na África do Sul como no Brasil).

E os torcedores que se cuidem também. Como vimos nesta semana, em que um grupo de torcedoras holandesas foi expulso do estádio onde jogavam Holanda e Dinamarca por trajarem vestidos laranjas que no entendimento da FIFA teria por objetivo fazer publicidade de uma cerveja que não é a “oficial da Copa”. (Interessante essa tal “liberdade” defendida pelos liberaizinhos de plantão.)

Enfim… A Copa de 2014 “é nossa”? Os benefícios, serão de bem poucos, mas a conta, essa sim, será nossa. Uma conta monstruosa, e que não se resumirá à Copa, pois dois anos depois dela tem a Olimpíada no Rio (e não pensem que a fatura não será paga por todos os brasileiros: lembrem-se do Pan!). Em 2020, o Brasil poderá ser uma versão mais caótica da Grécia de 2010.