Mortos não falam

Muammar al-Gaddafi está morto. Segundo a versão do governo de transição da Líbia, o ditador morreu em consequência de um tiroteio após sua captura.

Não lamento nem um pouco sua morte, pois Gaddafi foi um ditador cruel e sanguinário. Mas também não celebro.

Afinal, é fácil demais acusar um ditador de desrespeitar os direitos humanos, mas depois capturá-lo e ao invés de levá-lo à Justiça, optar por uma pura e simples “vingança”. Pois embora se diga que Gaddafi morreu devido ao tiroteio, outra versão fala que o ex-ditador teria sido executado – ou seja, assassinado. Talvez, até mesmo linchado. E pelo que vi em vários vídeos gravados após a captura, a hipótese do linchamento não me parece absurda.

O Ocidente saudou a morte de Gaddafi, ao invés de lembrar que melhor seria se ele fosse julgado pelos crimes cometidos em 42 anos de ditadura. O que não é surpresa. Aliás, a capa de hoje do jornal italiano L’Opinione resume bem os motivos da execução de Gaddafi – e da consequente aprovação do Ocidente.

Como Gaddafi está morto, ele não terá oportunidade de dizer em um tribunal muitas coisas que não sabemos, além do que já é conhecido: o mesmo Ocidente “simpático” aos rebeldes que se levantaram contra sua brutal ditadura também a apoiou quando conveniente. Afinal, se até a década de 1990 Gaddafi era um dos “vilões” para o Ocidente, nos anos 2000 o ditador “fez as pazes” com os antigos inimigos, a ponto dos serviços secretos de Estados Unidos e Reino Unido terem colaborado com a ditadura, entregando-lhe opositores.

About these ads

Um comentário sobre “Mortos não falam

  1. O próprio Lula chamou o Kadafi de “meu amigo, meu irmão e líder” na abertura da Cúpula da União Africana, em 2009.

    Abs.

Os comentários estão desativados.