4 comentários sobre “Uma época sem utopias

  1. Parece que o errado hoje é pensar coletivamente. Eu vejo olhando ao redor, porque quando falo em mudança, em ir contra a onda de consumismo e critico o individualismo, é como falar de coisas absurdas, que deveriam ser abolidas. Como resultado, temos as taxas de suicídio, por exemplo. Como se explica pessoas que têm “tudo” desistindo da vida assim? Alguma coisa está errada, e creio que seja um problema conjuntural.

    • Pois é… Foi mais ou menos o que percebi assistindo ontem ao excelente filme “Na Natureza Selvagem” (recomendo muito, caso não tenhas assistido). Conta a história real de um jovem recém-formado que decidiu sair viajando sem rumo pelos Estados Unidos. De certa forma, decidiu realmente viver a vida, ao invés de seguir uma “carreira de sucesso” e muita hipocrisia. Ao mesmo tempo em que procurou “se isolar”, ao desejar não ser mais encontrado pelos pais, também acabou marcando profundamente as pessoas que conheceu – e vice-versa.

      Acompanhando a história, pensei em quanta gente procura seguir o “caminho do sucesso” (emprego que “paga bem” mesmo que seja um saco, carro do ano, apartamento de luxo etc.), acreditando que será feliz assim, e acaba encontrando mesmo a infelicidade, e perde a vontade de viver. É aquela velha história de valorizar mais o “ter” do que o “ser”, gerando pessoas que simplesmente “passam pelo mundo”, sem fazerem a menor diferença, apenas acumulando bens.

  2. Parece piada: o Tarso Genro, um dos grandes revisionistas – e de longa data – do marxismo falar em resgatar a utopia. Logo ele que junto com o seu partido e o Governo neoliberal do qual faz parte contribuíram para o ceticismo no Brasil.

    Vou te falar uma coisa camarada Rodrigo: sabe o meu professor de Sociologia que diz que reforma agrária já era? É amiguissímo do Tarso Genro e apóia o Governo Lula! Teoricamente eles têm muito em comum!

    Lula não deveria mais ser convidado para participar do FSM. Ou é possível “outro mundo” com o imperialismo americano, os banqueiros, o latifúndio, os usineiros, o grande empresariado nacional e internacional, Collor, Sarney, com privatizações e um modelo econômico neoliberal?

  3. Conheço demais o Na Natureza Selvagem! De longe, um dos melhores filmes a que já assisti! Toda vida que vejo, fico mais impressionada com os diálogos, as cenas e tudo. Dá vontade de colocar a mala nas costas e sair por aí, só pra sair um pouco dessa sociedade doentia. Mas é fato o que ele diz no final: hapiness is only real when shared.

Os comentários estão desativados.