Chapa 1 para o DCE da UFRGS

Começa amanhã, e vai até quinta, a eleição para a gestão 2009 do DCE da UFRGS. Há quatro chapas concorrendo: três de esquerda e uma de direita.

O fato de haverem três chapas de esquerda (1, 3 e 4) é um problema sério: afinal, a esquerda está desunida por questões partidárias, enquanto a direita, representada pela Chapa 2 (que certamente rejeita ser considerada como de direita – o que é bem típico da direita), está unida. Como a eleição não tem segundo turno, se uma chapa for a mais votada com apenas 30% dos votos, ganha.

Fica muito claro o posicionamento da Chapa 2 só lendo o panfleto deles. Falam em “despartidarização do DCE”: até concordo que o DCE deva atender aos interesses dos estudantes e não de um determinado partido, o problema é que esse papo de “despartidarização” não me engana, cheira mais à “despolitização”, o que a direita adora – basta ver o que tem acontecido em Porto Alegre nos últimos tempos.

Uma das propostas bizarras deles (e que demonstra um desconhecimento das leis) é a de um convênio entre a UFRGS e o Estado para que a Brigada Militar possa policiar os campi. Detalhe: a UFRGS é território federal, logo a BM não pode entrar! Qualquer crime que aconteça dentro da universidade é competência das autoridades federais. Sem contar que tal proposta é a defesa, na prática, da entrada do Coronel Mendes na universidade.

Outra proposta que deixa muito claro o caráter de direita da Chapa 2 é o fato deles defenderem que o DCE não seja “entidade voltada para apoiar ações de grupos políticos como o MST, etc.” – e ainda tentam nos enganar com o papo de “despartidarização”! Certamente acham terrível que o DCE tenha se posicionado contra o descalabro do Pontal do Estaleiro (mesmo que não tenha só gente de esquerda contra o Pontal).

Há também o apoio à criação de “empresas juniores” em todos os cursos para incentivar o “empreendedorismo”. Imagino como deve ser uma “empresa junior” para incentivar os historiadores a serem “empreendedores”.

Além disso, qual tipo de “empreendedorismo” será incentivado? Se até os próprios defensores afirmam que empreendedor é um “monstro”…

Também é importante levar em conta o chamado “não-dito” no panfleto deles. Na quarta-feira, dois integrantes da Chapa 2 passaram na sala onde eu tinha aula, e foram questionados quanto às cotas: ano passado, o grupo era claramente contrário, e agora nada dizem a respeito disso. Afinal, há muitos estudantes que ingressaram via cotas na UFRGS e que vão votar na eleição para o DCE.

———-

Já ficou bem claro que não voto na Chapa 2 de jeito nenhum. Há as outras três chapas, de esquerda, e acredito que dentre elas, a que tenha maiores chances seja a 1. Afinal, ela representa a atual gestão do DCE – o que lhe dá mais força em relação às demais.

Assim, já deixo declarado meu voto na Chapa 1. E um apelo para o próximo ano: que se esqueçam as divergências e se monte uma só chapa de esquerda, em torno das concordâncias. Caso contrário, mais cedo ou mais tarde o DCE cairá nas mãos da direita.

About these ads

8 comentários sobre “Chapa 1 para o DCE da UFRGS

  1. Estudantes da UFRGS: Uma decepção.

    Em grande parte, filhinhos de papai..estudaram nas melhores escolas privadas da cidade, tiveram os melhores acessos e oportunidades de estudo, e mesmo assim, só dizem bobagens. Existe uma corja dentro da UFRGS, iguais aqueles ridículos que faziam arruaça e promoviam desrespeito na câmara de vereadores, que queimam o filme da faculdade. Esses mesmo são filhos de uma esquerda retrógrada e anti-democrata. Apóiam barbaridades de todo modo, como as FARC, os safados do MST, ditadores de Cuba, China e Coréia do Norte, exemplos do que de pior um país pode ser. Exaltam o socialímo, mas são contra cotas. Que estranho isso. Exaltam o socialísmo, mas não dividem o que ganham com os menos favorecidos. Fazem apologia as drogas, as pixações, nutrem a impunidade, culpam as forças policias e dão inocência para marginais, alegando ser o fator social o culpado. Quando enfiarem uma arma na cabeça destes, quero vêr quem deles irá bater o pé pra defender direitos humanos pra vagabundo..quero ver. São contra repressão policial contra grupos que promovem violência em manifestações no centro da cidade. Perturbam a paz, a ordem, apóiam grupos paramilitares e querem de todo o modo ganhar respeito através da anarquia e da ilegalidade. Quando perdem agridem covardemente. São demagogos, estão perdendo espaço na cidade. Querem uma Porto Alegre como uma Havana, feia, cinza e atrasada. A Poa do PT, a capital das carroças, a capital de um estado que expulsava empresas. Esse radicalismo, perdeu lugar na cidade.Poa Hoje está prosperando, curando as cicatrizes deixadas pelo PT e sua inutilidade. Estudantes da UFRGS, usem a capacidade mental de vocês para desenvolver nossa cidade, nosso estado. Esqueçam modelos obscurantístas e ultrapassados como Cuba. Vislumbrem uma era de desenvolvimento para o Rio Grande. Esqueçam bobagems como Che Guevara, Via Campesina e outras palhaçadas. O mundo é capitalista pois essa é a natureza do homem. Do contrário, convidos vocês todos a dividir o que ganham com os pobres. O pior de tudo é saber que os mesmes imbecis que faziam arruaça na câmara defendendo uma ideologia falida, horas depois, estavam sentados comendo no Mc Donalds. Esses são os socialitas da UFRGS. Socialistas que comem no MC Donalds.

  2. Jubão, tu és simplesmente GENIAL! Já tentaste trabalhar no Casseta & Planeta? Acho que tens boas chances de sucesso lá…
    Agora, as respostas às principais pérolas (sem contar os velhos chavões do tipo “esquerda retrógrada”, “defender vagabundos”, etc.):
    1) Em grande parte, filhinhos de papai. Se tu visitares o Campus do Vale, onde se desenvolvem os cursos de licenciatura, verás que se há filhinhos de papai, estes são raridade – até porque filhinho de papai jamais iria querer ser professor pra ganhar uma miséria. Onde mais há filhinhos de papai, certamente, é naqueles cursos mais elitizados – aliás, dos quais são a maioria dos membros e apoiadores da chapa da direita.
    2) Exaltam o socialímo (sic!) mas são contra cotas. Pelo jeito tu nem leste o post direito… Pois a chapa que ano passado era contra as cotas (e agora esconde isso) é a da DIREITA. As chapas de esquerda (que ano passado também eram três) eram abertamente favoráveis.
    3) Quando perdem agridem covardemente. Então avisa o Graciliano Rocha, repórter da Folha de São Paulo, que o Fogaça PERDEU, já que militantes do PMDB agrediram covardemente o jornalista no dia 26/10.
    4) Esqueçam modelos obscurantístas e ultrapassados como Cuba. Eu achava que era o modelo que tu defendes (capitalismo de Estado mínimo) que tinha ido à bancarrota…
    5) O mundo é capitalista pois essa é a natureza do homem. Cara, vai estudar História antes de falar uma besteira dessas…
    6) O pior de tudo é saber que os mesmes imbecis que faziam arruaça na câmara defendendo uma ideologia falida, horas depois, estavam sentados comendo no Mc Donalds. Esses são os socialitas (sic!) da UFRGS. Socialistas que comem no MC Donalds. Essa é, disparada, a mais engraçada de todas! De onde tu tiraste tão bombástica informação???

  3. O Jubão deve ser daqueles q fez um esforço hercúleo para atingir a classe média e ao invés de se revoltar contra o sistema q o massacrou acaba descontando a sua revolta nos pobres (q provavelmente pela ótica dele devem ser pobres pq querem) e naqueles q combatem as injustiças do sistema (para ele os tais filhinhos de papai, como se fosse demérito um filhinho de papai – q poderia estar acomodado dentro do sistema – ñ se conformar com as injustiças).
    No caso específico da UFRGS o camarada Rodrigo foi mto esclarecedor qto a composição social dos estudantes de licenciaturas e humanas em geral.

    O mais hilário na verborragia do Jubão é essa repetição incessante (sem provas claro) de q Porto Alegre vai bem, prospera e de q as idéias de esquerda são retrógradas, ultrapassadas, falidas, etc exatamente em um momento em q os países desenvolvidos se utilizam de expedientes “ultrapassados” para tentar conter a grave crise do sistema financeiro criada pelos “modernos” e “eficientes” capitalistas. Além de estarem lendo – e mto – Marx.

    A única coisa ultrapassada q estamos vendo são as concepções de socialismo do Jubão. Pelas baboseiras q falou ele deve pensar q em uma sociedade socialista se divide até as cuecas. O socialismo se pauta é pela socialização da propriedade privada dos MEIOS de produção (fábrica, latifúndio,…). A tua casa continuará a ser tua, a tua cueca continuará a ser tua, etc. Por isso é descabido querer q aqueles q nada mais são do q trabalhadores dividam o q ñ tem, ou seja, a propriedade privada dos meios de produção com os pobres. O q ñ significa q mtos destes ñ estejam inseridos em programas assistencialistas q dê algo aos pobres, mas aí já é outra coisa.

    O Jubão provavelmente desconhece os índices de (in)satisfação dos russos com o capitalismo, dos romenos, entre outros.

    Se o “mundo é capitalista pois essa é a natureza do homem” pq então a História da humanidade ñ foi desde os primórdios capitalista? Veja o tamanho da besteira q o Jubão falou.

    Acusa os esquerdistas de agredirem qdo perdem, aí cabe a pergunta: os golpistas venezuelanos e agora os bolivianos q romperam a legalidade são esquerdistas?

    Fala de repressão policial, o fã do Coronel Mendes, mas se calou qdo indagado sobre a repressão aos baderneiros dos cofres públicos, incluíndo aí o padrinho político do Mendes e o próprio já q amigo de corrupto,…

  4. Rodrigo,

    Meu grande amigo Sérgio Fonseca, o Magrão, diretor de arte que demonstra todo o seu talento e prospera na Paulicéia há vários anos, tem uma frase pronta para quem se faz de louco pra passar por esperto:

    “COMO É BURRO O MEU CAVALO!”

    []‘s,
    Hélio

  5. tem como vcs nos fornecerem um modelo para chapa de ca. queremos montar o nosso e estamos pedindo sugestões para poder nos ajudar. sou de chapadinha-ma, de um centro ciências agráriase ambientais. de já, agradeço.

  6. Pingback: Eleição para o DCE da UFRGS: esquerda insiste na divisão « Cão Uivador

  7. Pingback: Vexame histórico « Cão Uivador

Os comentários estão desativados.